centro de recursos

Google My Business

Como separar o tráfego Google My Business do Tráfego Orgânico

Medir para gerir implica: saber o que medir, como medir, o que uma métrica contém e acima de tudo não misturar 2 tipos de maçãs no mesmo cesto. 🍎 🍏

Por defeito, o Google Analytics não separa o tráfego orgânico do tráfego vindo do Google My Business, mas existe solução.

Que tráfego recebemos do Google My Business?

O Google My Business (GMB) permite a ligação ao website do hotel através do botão denominado “website”. O qual está disponível no painel de destaque do GMB nas folhas de resultados dos motores de busca, no excerto do google maps e google travel. Este link pode ser editado pelo dono do negócio no painel de administração do GMB.
 
No entanto, continuamos a detetar muitos hotéis que aqui colocam o URL da homepage sem qualquer outro tipo de classificação embutida no mesmo. Se assim o fizerem os visitantes que clicam neste link são contabilizados como “orgânico” no Google Analytics.
 
Na realidade se desenvolve esforços de SEO para o website do hotel e ainda não separa esta fonte de tráfego está a avaliar uma realidade distorcida. Pois algum desse tráfego, até agora contabilizado como orgânico, foi-vos “oferecido de bandeja” pelas presenças verticais do motor de busca, e não está diretamente relacionado com o que se faz no e para o vosso website em termos de SEO
 
Para quem utiliza o GMB como canal de distribuição, tendo feito nesse sentido um acordo com um dos parceiros google para a ligação e distribuição de inventário (através do programa Google Hotel Ads, antigo Google Hotel Finder), terá a opção do visitante aceder directamente ao motor de reservas.

4 passos para separar tráfego do google my business do tráfego orgânico

Para separar o tráfego no Google Analytics de quem visita o website vindo do Google My Business, de quem tem origem nos resultados orgânicos dos motores de busca (orgânico), são precisos 4 passos:

Passo 1 – Definir a classificação do novo canal de tráfego

Seguindo a estrutura do Google Analytics, em que um canal de tráfego corresponde à conjugação da origem (source) e do meio(medium), pode criar um novo canal atribuindo-lhe uma fonte e um meio específicos, este canal contabilizará então esses visitantes como vindos do GMB.

Exemplo:
Canal = Google My Business
Origem = googlebusinesslisting
Meio = businesslisting

Note-se que é apenas um exemplo, dependendo da estrutura de Google Analytics (GA) que desenhou para ajustar às suas necessidades de negócio (se já foi para além dos canais pré-definidos), respetivas atividades de marketing e parcerias que desenvolve. 

Pode optar por qualquer outra denominação de cada um dos campos, desde que o resultado final seja o de separar por completo o que é GMB do orgânico, e que todos na organização conheçam o que esse canal comporta.

Passo 2 – Criar essa classificação no Google Analytics

Acedendo ao Google Analytics no painel de administração em
Account> Property>View>Channel Settings >Channel Grouping

Definir um novo canal com base na decisão tomada no passo 1.

Passo 3 – Criar o URL com essa classificação

O URL que irá ser colocado no perfil do GMB tem agora que incluir os termos dessa classificação.
Uma das formas mais fáceis, em alternativa a compô-lo manualmente, é utilizar o Google URL Builder.
 

Passo 4 – Colocar o link no perfil de GMB

Acedendo ao Google My Business edita-se o link para o site, substituindo o atual por o criado no passo 3.
 
Não esquecer:
Para finalizar devem utilizar as anotações do Google Analytics, colocando uma nota com a indicação de que no dia X separaram o Google My Business do Tráfego Orgânico, para que meses depois ou outros membros da equipa, consigam analisar os dados com base no contexto que essas alterações podem vir a provocar.
Porquê fazer esta alteração?
  • Se trabalha o website a nível de SEO (search engine optimization) é crucial separar estes dois tipos de tráfego, pois o que chega via Google My Business não é influenciado por aquilo que se optimiza no website
  • Para analisar e cruzar informação contextual entre a informação estatística existente dentro do GMB, com o que acontece quando o visitante já está no website, e como varia esse fluxo/comportamento conforme a classificação dos reviews.
  • Para compreender a intenção de quem chega até ao website via GMB: em processo de compra ou em processo de chegada?
  • Baseado nas hipóteses acima como varia esse comportamento ao longo do ano? Por forma a tentar servir a informação necessária o mais rapidamente possível ao cliente. Para testar se uma landing page, com informação especialmente compilada tendo por base essas hipóteses de procura de info, traz resultados diferentes para o website.

Partilhar

Contatos

estamos à sua disposição para esclarecer qualquer dúvida.